quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

AlfaSol

Educação, Alfabetização, Educação_Jovens_Adultos, EJA, Festival_de_Ideias, Redes, Inovação

AlfaSol
A Alfabetização Solidária (AlfaSol) é uma entidade da sociedade civil criada em 1996 com a missão de disseminar e fortalecer o desenvolvimento social por meio de práticas educativas sustentáveis. Com um modelo simples de alfabetização inicial, inovador e de baixo custo, baseado no sistema de parcerias com os diversos setores da sociedade a Organização trabalha pela redução dos altos índices de analfabetismo no país (da ordem de 13,6 % segundo o censo de 2000 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE). Sua missão contempla ainda a ampliação da oferta pública de Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Brasil.

Até o final de 2010, a AlfaSol registrou o atendimento de 5,5 milhões de alunos em 2.205 municípios brasileiros, além da capacitação de 257 mil alfabetizadores. Um trabalho que, até 2010, contou com a parceria de 162 empresas e 41 Instituições de Ensino Superior (IES).  Para chegar a números tão expressivos, a Organização passou por um longo caminho de aprendizado e amadurecimento que consolidou seu método de trabalho, hoje reconhecido no Brasil e em vários outros países.

Num país em que a alfabetização é um importante passo no processo de inclusão social de qualquer indivíduo, a AlfaSol comemora os impactos positivos de seu trabalho na evolução das comunidades atendidas, na resposta ao estímulo à continuidade dos estudos pelos egressos das salas de alfabetização inicial e no crescimento do nível escolar de seus ex-alunos.

Sua atuação é reconhecida pelo IBGE, que creditou à Organização grande responsabilidade pela diminuição em 32,2% na taxa de analfabetismo no Brasil na última década. Outro indicador bastante positivo do impacto do trabalho da AlfaSol vem do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP/MEC). Ao avaliar os dados do Censo Escolar 2006, é possível constatar que 91,9% dos municípios atendidos pela AlfaSol, no mesmo ano, oferecem classes de EJA em sua rede municipal de ensino. Enquanto nos municípios que não foram atendidos pela organização, nesse mesmo período, a oferta de classes de EJA é registrada em apenas 59,1% deles.

Em outro levantamento realizado pela AlfaSol a partir de dados do Instituto, no período entre 1999 e 2005, a taxa de municípios com oferta de Educação de Jovens e Adultos que correspondia a 36% do total atendido em 1999 pela AlfaSol subiu para 88% em 2005. Dentre os municípios não-parceiros, o percentual com oferta de EJA era de 26% em 1999 e de 52% em 2005.

O mesmo estudo aponta que, em 2005, houve decréscimo de 13,8% nas matrículas de EJA nos municípios não atendidos pela AlfaSol, em relação ao ano anterior. Enquanto que, em período igual, nos locais onde a AlfaSol está presente, a taxa de matrículas de EJA teve um acréscimo de 32,5%.

RECONHECIMENTO DA UNESCO

Os resultados positivos do trabalho da AlfaSol são reconhecidos nacional e internacionalmente. Em 2005 a AlfaSol foi a primeira organização não-governamental brasileira a estabelecer relações formais com a Unesco. O anúncio oficial do estabelecimento de relações operacionais entre a Entidade brasileira e a Internacional ocorreu durante a 172ª Sessão do Comitê do Quadro Executivo sobre Organizações Não-Governamentais Internacionais, ocorrida na sede da Unesco, em Paris.

A AlfaSol foi reconhecida pela Unesco pelo seu modelo bem-sucedido de parcerias que reúne os vários setores da sociedade civil e governos e que, inclusive, foi adaptado ao contexto local de alguns países de língua portuguesa – Timor Leste, Cabo Verde, Moçambique, São Tomé e Príncipe – e espanhola - Guatemala.

O estabelecimento das novas relações com a Unesco deu à AlfaSol acesso a informações e documentações sobre alfabetização e educação continuada de jovens e adultos e educação, assim como a participação em reuniões, encontros de organizações não-governamentais, eventos de interesse da Unesco e em sessões da Conferência Geral da Organização internacional. Em contrapartida a entidade internacional passa a ter uma presença mais ativa na área de Educação de Jovens e Adultos a partir da experiência da AlfaSol acumulada em 13 anos de trabalho ininterrupto.

O estabelecimento de relações formais com a Unesco foi precedido de vários outros reconhecimentos pelo seu trabalho e modelo de atuação. Em 2004, a AlfaSol foi uma das vencedoras do Prêmio Rei Sejong de Alfabetização, que recompensa as melhores ações no mundo pela diminuição do analfabetismo. Ao escolher a Organização, a Unesco ressaltou a atuação em comunidades rurais e urbanas, com especial atenção à participação das mulheres e foco nas áreas mais pobres e isoladas do Brasil como diferencial para a concessão do prêmio.

Em 2003, a entidade foi escolhida como um dos dez programas de alfabetização mais bem-sucedidos do mundo. O trabalho da AlfaSol, mantido por meio da parceria entre a iniciativa privada, Instituições de Ensino Superior (IES), governos municipais, estaduais e federal e com a sociedade, foi considerado modelo e, por essa razão, incluído no kit da "Década da Alfabetização" da ONU.

BASE DE ATUAÇÃO

A AlfaSol atua com base nos índices de analfabetismo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo dados do censo de 2000 do IBGE, existem no Brasil cerca de 16,3 milhões de jovens e adultos analfabetos, com idade igual ou superior a 15 anos - o que representa 13,6% dos brasileiros nessa faixa etária ou 10% da população total. Nos grandes centros urbanos, apesar de baixos índices de analfabetismo, é significativo o número absoluto de pessoas analfabetas ou pouco escolarizadas.

ESTATUTO

Em novembro de 1998 foi criada a Associação Alfabetização Solidária. Com estatuto próprio, a Associação passou a ser responsável pelo gerenciamento da AlfaSol. A constituição da entidade proporcionou maior autonomia para a captação de recursos e agilidade no gerenciamento das atividades. Todo o trabalho é desenvolvido com base em parcerias mantidas com o Ministério da Educação, empresas, pessoas físicas, organizações, governos municipais e estaduais, instituições de ensino superior e outras.

MAIS RECONHECIMENTOS

A atuação da AlfaSol no Brasil e nos países onde está presente tem sido motivo de várias premiações. Em 2007, recebeu a "Menção Honrosa Especial", da Comissão Econômica para América Latina e o Caribe (CEPAL), com o apoio da Fundação W.K. Kellogg, categoria especialmente criada pela comissão julgadora para contemplar o trabalho desenvolvido pela Organização. Um parecer, emitido durante a cerimônia de premiação, resume as impressões que a AlfaSol gerou na comissão julgadora: “É um projeto altamente bem sucedido que atende a comunidade, unindo os setores público, privado e a sociedade civil para reduzir de maneira significativa o analfabetismo.”
Outros dois reconhecimentos foram concedidos em 2007. A Organização recebeu o Prêmio Dubai por ser considerada uma das 126 melhores do mundo na área de "Melhoria do ambiente de qualidade de vida", iniciativa do Programa de Melhores Práticas e de Lideranças Locais desenvolvido pelo UN – Habitat, programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos, e Together Foundation, instituição que prepara líderes socialmente responsáveis ao redor do mundo.
Outro prêmio especial recebido foi o “Hall da Fama” do Top of Mind para Fornecedores RH 2007, que certificou a AlfaSol como a organização que está  mais presente na memória dos profissionais, desenvolvendo o melhor esforço de comunicação e relacionamento junto ao  seu público alvo.

OUTROS PRÊMIOS

Em 2004, a AlfaSol recebeu o mais importante prêmio internacional de alfabetização da Unesco, o Prêmio Rei Sejong de Alfabetização. Segundo a Unesco, a AlfaSol recebeu o prêmio “por mostrar uma excelente iniciativa em mobilizar todos os tipos de parceiros, especialmente os do setor privado e cidadãos, para apoiar a alfabetização em grande escala”. No mesmo ano a Organização recebeu mais um reconhecimento internacional, o Prêmio da Rede Innovemos (Rede de Inovações Educacionais para a América Latina e Caribe). A Rede Innovemos é uma das ações articuladas pela Oficina Regional para a América Latina e Caribe (OREALC) da Unesco, cujo objetivo é registrar e fazer circular informações sobre inovações implantadas com sucesso na educação básica ampliada – crianças, jovens e adultos –, por meio de ações formais ou não-formais, incluindo aquelas que priorizam o aprendizado de docentes e o envolvimento da comunidade.

As condecorações recebidas pela AlfaSol são evidências de que a instituição é reconhecida internacionalmente como exemplo de atuação, replicável em várias regiões do mundo, com realidades sócio-culturais distintas. Esse prestígio internacional vem atraindo a atenção de governos e de instituições de diversas nações do mundo, que procuram a AlfaSol para conhecer de perto as experiências bem-sucedidas e, muitas vezes, demandam cooperação técnica.

Outras premiações recebidas pela AlfaSol nesses 13 anos de atuação também merecem destaque:

• Best Practice Certificate 2002 – O Certificado de Boas Práticas Sociais da ONU colocou a AlfaSol dentre as 40 melhores entidades do mundo. A classificação indica que a AlfaSol exerce forte impacto positivo nas comunidades em que atua e que seu êxito pode servir de modelo para possíveis ações similares em outras partes do mundo.

• Comenius Medal – Concedida durante a 46ª Conferência Internacional de Educação, em setembro de 2001, em Genebra, a medalha reconhece as ações sociais ou personalidades que realizam trabalhos inovadores na área de educação.

• Associação das Nações Unidas Brasil 2000 – Eleita por unanimidade pela comissão julgadora, a premiação destina-se a personalidades ou entidades que se destacaram na promoção dos direitos humanos no país.

• Prêmio Internacional de Alfabetização – Menção honrosa desse prêmio, em setembro de 2000, em Paris.

• Unesco/1999 – Em outubro daquele ano a AlfaSol recebeu o prêmio de Iniciativas Bem-Sucedidas na Área de Educação. “O prêmio é um reconhecimento ao excelente trabalho desenvolvido pela AlfaSol”, afirmou o representante, à época, da Unesco no Brasil, Jorge Werthein, acrescentando: “Essa é uma iniciativa que deve ser seguida dentro e fora do Brasil”. E o resultado dessa avaliação é que o modelo passou a ser adotado por Timor Leste.

• Condecoração Ordem do Rio Branco - Instituída em 1963, a Ordem do Rio Branco tem o objetivo de homenagear e distinguir pessoas com relevantes serviços prestados ao país. Um dos objetivos da condecoração é estimular a prática de ações e feitos dignos de honrosa menção. A Ordem de Rio Branco, criada em homenagem ao patrono da diplomacia brasileira – o Barão do Rio Branco –, consta de cinco graus: Grã-Cruz, Grande Oficial, Comendador, Oficial e Cavaleiro, além de uma Medalha anexa à Ordem. A Superintendente Executiva da AlfaSol, Regina Célia Esteves de Siqueira, recebeu a Ordem do Rio Branco por estar à frente de um trabalho responsável pelo atendimento de milhões de jovens e adultos que não sabiam ler ou escrever. Além da superintendente, receberam a condecoração os professores Antônia Píncano e Fábio Giordano, em função de sua atuação junto ao Timor Leste.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar